06/05/2018

Venceslau Fernandes: "Fui para a guerra colonial e levei a bicicleta numa mala"



Excerto duma entrevista de Venceslau Fernandes


Para onde foi na tropa?

Fui para Lisboa, e daí para o Ultramar. Fui para a guerra em Angola e deu-me na cabeça em levar a bicicleta comigo. Não disse nada a ninguém, desmonteia-a toda e escondia-a numa mala. Fomos no Vera Cruz, em Julho de 1967, fez agora 50 anos.

E como é que foi lá?

Fui para o quartel em Luanda e pus-me a montar a bicicleta cá fora na parada. E nisto passa lá um fulano a levar cervejas para o quartel, ele era o distribuidor da cerveja Nocal e director do ciclismo do Benfica de Luanda. Viu-me lá com a bicicleta, foi ter comigo para saber quem eu era e quando lhe disse que já tinha feito duas Voltas a Portugal foi falar com o capitão para eu ficar pela cidade e correr pelo Benfica de Luanda. Ele falou com o comandante do destacamento, que era irmão do Mendes Pedroso, o director da equipa de ciclismo do FC Porto, e lá fui correr. Comecei a treinar de manhã e à tarde fazia os meus serviços no quartel. Fui ao GP Nocal e fiquei em 2º lugar, a chegada foi no estádio dos Coqueiros. A partir daí praticamente tinha tudo para poder dedicar-me ao ciclismo. Também estive no mato, debaixo de fogo, mas ficava quase sempre em Luanda. Participei em várias corridas e no ano seguinte ganhei o GP Nocal.

Depois voltou para Portugal?

Sim. O major Mendes Pedroso propôs-me um contrato com o FC Porto para ir correr a Volta a Portugal, ia ganhar 3.500 escudos por mês, o que era uma fortuna. Estava a preparar as coisas para ir correr pelo FC Porto, no Verão de 1969, e vim mais cedo para Portugal para ir correr o GP Robbialac. Só que a descer a serra da Arrábida, vinha fugido com mais dois corredores, estava muito nevoeiro e fomos contra um carro parado numa curva. Caí e parti o úmero. Fui para o Hospital Militar e fiquei lá 60 dias. Já não fui para a Volta a Portugal e acabei por não assinar contrato pelo FC Porto, porque o Mendes Pedroso já não estava lá.

Sem comentários: