21/07/2009

21 de Julho de 1969

Quarente anos passaram.
A data histórica mantem em recordação todos os anos, a nossa chegada a Luanda com a chegada do primeiro Homem ao satélite da Terra.
Para a grande maioria de nós, estes quarenta anos representam dois terços da nossa passagem por esta vida.
Que durante muitos mais anos, possamos continuar a recordar os dois eventos.
O BCAC2877 em Angola.
Os tres astronautas, na Lua.
A História tem o condão de juntar "grandes feitos históricos"
O Blog do BCAC2877 saúda não só os descobridores da Lua. mas acima de tudo, sauda os que foram obrigados a descobrir ANGOLA e que nessa data desembarcaram no porto de Luanda para o inicio dessa descoberta durante 2 anos.

16/07/2009

Angola e a ida à Lua

Em 16 de julho de 1969, estavamos nós a caminho de Luanda a bordo do Vera Cruz e o Apolo 11 levantava voo para alcançar um dos maiores feitos científicos da Humanidade.

12/07/2009

12 de Julho de 1969


O tempo passa e não pára.
A marcha dos ponteiros do relógio não obedece a sinais ou outro tipo de imperativo.
Nem o envelhecimento é precoce para quem não sentiu o som do do seu tic-tac.
Para os que neste dia, mas já passados 40 anos, embarcaram no Vera Cruz, rumo ao calor do Norte de Angola e ainda tem a possiblidade de se encontrar, mesmo com alguma debelidade fisica, nos nossos convivios, cremos que é sempre uma imensa alegria.
As recordações não se perdem, mas ficam esbatidas e cobertas pela poeira de tantos anos.
Já lá vão 40 anos.
Que fique, como sempre vamos dizendo, as boas recordações, as amizades e os ensinamentos que de lá trouxemos.
Até sempre.
Até 4 de Outubro de 2009 - data do nosso encontro deste ano

02/07/2009

Africa

Estes dias quentes com chuva, trazem à memória os cheiros de Àfrica.
As grandes chuvadas quando caiam noa terra quente deixavam um odor que ainda hoje continua a impregnar as mucosas dos nossos narizes.
Por muito que se queira ou não queira, os tempos que por lá passámos, as experiências que foram vividas, deixam marcas que nem com o passar dos já muitos anos desaparecem das nossas memórias.
O cheiro da terra e do capim ficcou lá, mas muito dele ainda anda por cá.

Ambrizete

Mias uma mensagem com um testemunho do nosso companheiro.
Desta vez, sobre Ambrizete.
Quem esteve no Tomboco, ainda teve a possibilidade de nos reabastecimentos, ir a Ambrizete. Poucas eram as hipóteses de sair do aquartelamento.
Para nós, conhecemos Ambrizete quando da ida.
Foi apenas de passagem.
Recordo na ida, a Praia e o Brinca na'Areia.
No regresso, com a saída do comando de Batalhão de Zau Évua e asua transferência para Ambrizete, por lá passsamos, cerca de 15 dias antes do embarque.
Para quem passou todo o tempo no mato, sem ver o mar, e aqui recordo que quem está habituado a viver à borda de água, sente imensa falta desse azul-esverdeado ondulante, passar 15 dias naquela estância balnear, era como se estivessemos à altura de Torremolinos de então.
Vamos falar amis sobre Ambrizete, pois ficou-me no coração.
A praia, os pescadores a foz do M'Bridge.
Um abraço para Ambrizete.
«Tambem eu passei por Ambrizete.
Estando no Quiende, fazia o MVL sempre que podia,obrigado ou voluntário, não fui volintário muitas vezes na tropa, mas para fazer MVL, estava sempre pronto.
Era um risco calculado e sempre dava para quebrar a monotonia.
Ambrizete tinha mar, e peixe e marisco, no Brinca na Areia ao final do dia dava para esquecer a guerra.
Um abraço para todos e um especial para a Elisa, velha amiga dos Blogues com quem tenho a felicidade de trocar correspondência e que vim a saber trabalha onde eu passei muitos anos da minha vida.
Ten tido uma sorte de cão mas tem levado de vencida todas as adversidades que lhe aparecem.
Parabens Mulher, és uma Angolana das nossas.
José Lessa »