12/07/2018

12 de Julho de 1969


No Vera Cruz aí íamos nós a caminho da Guerra do Ultramar.
Destino Angola, com passagem pela Ilha da Madeira para embarcar mais uma Companhia Operacional.
Angola era o destino.
Os locais no Norte, só mais tarde viemos a ter conhecimento.
Uns voltaram, outros não.

10/07/2018

Ex-combatentes no Ultramar recebem medalhas - Caldas da Raínha

Ex-combatentes no Ultramar recebem medalhas

Teve lugar na Escola de Sargentos do Exército (ESE), nas Caldas da Rainha, no dia 28 de junho, uma cerimónia de imposição de medalhas comemorativas das campanhas a 16 ex-combatentes no Ultramar entre 1961/1974, residentes na região.

Cerimónia na Escola de Sargentos do Exército 
Após o acolhimento dos ex-combatentes e convidados foi realizada uma visita às instalações, seguida de uma missa de homenagem a todos os militares e civis que morreram na guerra de África entre 1961 e 1974. 
No auditório 2.º Sargento José Paulo dos Santos foi realizada a cerimónia de imposição de condecorações, tendo sido presidida pelo comandante da ESE, coronel Gonçalo Azevedo, que aproveitou a ocasião para salientar o simbolismo do ato realizado e a sua importância para a formação dos alunos.
Terminada a sessão seguiu-se um almoço, no qual os ex-combatentes e respetivos acompanhantes participaram.
Foram condecorados os seguintes ex-combatentes: Ex-tenente Joaquim Sanches (Angola 1967-70), ex-furriel José Morim (Angola 1968-71), ex-furriel Carlos Cordeiro (Angola 1967-69), ex-1º cabo Armando Alves, a título póstumo (Angola 1961-63), ex-1º cabo António Pereira da Silva (Angola 1962-63), ex-1º cabo José Sousa (Moçambique 1963-65), ex-1º cabo Américo Sousa (Angola 1965-67), ex-1º cabo Arcolino (Guiné 1973-74), ex-1º cabo Carlos Martins (Moçambique 1971-73), ex-2º cabo António Oliveira (Angola 1961-63), ex-soldado Guilherme Oliveira (Angola 1966-69), ex-soldado Carlos Machado (Angola 1968-70), ex-soldado Henrique Pedro (Moçambique 1970-72), ex-soldado Guilhermino Fortes (Guiné 1971-72), ex-soldado Adriano Mendes (Moçambique 1971-73) e ex-soldado Mário Abrantes (Moçambique 1972-74).


Tags:

06/07/2018

2019 - I - 50 anos


Aguardamos o contacto com os camaradas que organizam o almoço da CCAC2542 para a hipótese de fazermos a confraternização em conjunto

05/07/2018

2018 - Confraternização anual III - Ementa


Estamos a escolher a ementa para o almoço de confraternização.

Os pratos a apresentar e tudo o resto, desde as entradas, as sobremesas, as bebidas, o bolo de aniversário, etc,  estão em linha de conta com o preço.

Logo que tenhamos novidades, daremos conhecimento

02/07/2018

Histórias de tatuagens do ultramar contadas em livro


Quem não se recorda do Américo (já falecido) e que nós visitamos, com o Adelino Martins e  o Aires no Carregal do Sal,  aqui estava com a a sua tatuagem.
Foto tirada no lar onde se encontrava

Diana Gomes é body piercer e recentemente também começou a fazer tatuagens. Rui Caria é repórter de imagem e fotógrafo. Juntos vão lançar uma obra de textos e fotografias onde contam as histórias de "gente que um dia foi à guerra e ficou tatuada por dentro". 

Diana Gomes é body piercer há 18 anos. A vida uniu-a ao marido, José Carlos, tatuador há 21. Juntos, têm o "Poison tatoo" na Praia da Vitória, há 14 anos. As tatuagens são, no fundo, indissociáveis da vida pessoal e profissional do casal e, como tal, o olhar clínico sobre as tatuagens muitas vezes incompreendidas dos ex combatentes do ultramar permitiu ao casal começar a reunir histórias.

Diana é, também, mulher de palavras e começou a escrever alguns textos sobre os "Amor de Mãe", tatuados nos braços destes homens. Para a recente tatuadora este registo é urgente de forma a preservar parte da nossa história: "surge na urgência de as poder “salvar”. Sempre que via uma tatuagem antiga conseguia decifrar se era do ultramar ou não, achava-as lindas e autênticas e muito específicas de uma época. Estas tatuagens fazem parte da nossa história, com características muito próprias e despertavam-me curiosidade em querer saber mais sobre elas.

Esta ideia já a tinha tido há muitos anos mas na realidade nunca a tinha contado (a não ser ao José Carlos, o meu marido). 

A urgência também dá-se ao tempo que ainda nos resta, que na verdade já não é muito…. Os homens que as têm são senhores na casa dos sessenta e alguns anos. Cada vez são mais raras e difíceis de as encontrar. Quero preservá-las para o todo sempre.", disse Diana ao Açoriano Oriental.

O processo de pesquisa e abordagem já dura há 3 anos. O trabalho está, agora no seu terminus: "A história de cada um deles vai ser contada, as fotografias vão ser vistas e as tatuagens que fizeram vão permanecer enquanto houver corpo. O livro que queremos mostrar é de gente que um dia foi à guerra e ficou tatuada, por dentro", adiantou a body piercer. 

O momento de decisão foi quando Rui Teixeira foi ao estúdio pedir que lhe tapassem as várias tatuagens que fez no ultramar. Diana achou-as tão perfeitas e identitárias que pediu para que Rui lhe contasse a história daqueles registos no corpo. O ex combatente acedeu à proposta e Diana precisava agora de um fotógrafo que soubesse contar as histórias através de imagens. Rui Caria, a viver há largos anos na Praia da Vitória aceitou o desafio. Diana "Sabia que mesmo que os meus textos não fossem os mais bem escritos ( porque não tenho qualquer formação na área, apenas um gosto desde da minha adolescência de escrever e recitar os meus poemas) as tatuagens do ultramar estariam salvas através do seu talentoso trabalho fotográfico".

"Comecei a procurar senhores que tinham ido ao ultramar, fui à junta de freguesia da Vila das Lajes para ver se conseguia nomes, depois fui falando com pessoas conhecidas e amigas que se iam lembrando de familiares que as tinham. Também fui a um encontro de homenagem aos ex-combatentes e tive a oportunidade de conhecer alguns deles. Visitei o Museu Militar dos Açores, no forte de São Brás na cidade de Ponta Delgada que tem uma sala dedicada ao Ultramar, fui ver onde ficava o Quartel dos Arrifes e também fui ao local onde se situou a Bateria também em Ponta Delgada." 

Para a tatuadora terceirense não há histórias mais ou menos importantes: "Na verdade são todas urgentes de registar, porque cada uma possui histórias incríveis, relatos únicos. Não foi muito fácil encontrá-los. Abordei o assunto com delicadeza e com algum cuidado, porque sabia que iria levá-los a memórias intensas e na maioria dos casos menos boas. Pude ouvir histórias de verdadeiros heróis, aprendi imenso com as nossas conversas fiquei deslumbrada com a forma como eles se lembravam como se tivesse sido ontem dos números, dos nomes, das datas e de coisas que se passaram há mais de quarenta anos." 

A jovem considera que este livro poderá também ser importante para a comunidade de tatuadores: "acho preciso documentá-las para podermos ver a sua evolução a nível estético e técnico." 

As fotografias de Rui Caria acompanhadas pelos textos de Diana Gomes resultarão numa obra que os autores pretendem lançada até ao final do ano.

01/07/2018

30/06/2018

Angola - Mulheres do Sul - Postal de 1970


Queimada _ Zau Évua


Recordando o momento de tirar esta foto e muitos mais momento de queimadas na nossa zona operacional.
Todos os anos existia uma operação chamada "Fénix Renascida" que consistia no lançamento de granadas incendiárias por meio da aviação militar.
As NT eram alertadas para a operação uns tempos antes e depois era dado o inicio da operação com a informação do dia "D" que era o seu início. Sabia o CMD do Batalhão não só a data do inicio como as coordenadas do lançamento dos focos incendiários, o que obrigava a não ter tropas por aqueles locais.
Essas queimadas, era vistas durante a noite, dias e dias após o seu inicio.

29/06/2018

31/08/2006 - Primeira mensagem neste Blog


Uma curiosidade:
     
Em 31/06/2006 foi a data em que a primeira mensagem foi publicada neste Blog.
Foi assim como uma experiência, um teste, uma iniciativa para ver o que dava ou se não dava.
O Blog tem-se mantido a "expensas" do seu mentor e continuador, salvo honrosos e muito poucas excepções em  contribuições para o seu enriquecimento em prosa, muitas mais em fotos.
Com algumas desilusões, muita paciência e alguma persistência, tem continuado em "operação".
Por aqui não encontramos a presença do "IN" e assim temos continuado e, pensamos continuar.
E assim passaram nada mais, nada menos que 12 anos

25/06/2018

Catedral das Pedras



Dedicada ao Altino Cleto

Havia uma picada com o nome "Catedral das Pedras", ficava sul do aquartelamento