31/07/2008

Confraternização - Correio devolvido




Correspondência devolvida continua regressar ao ponto de partida.
Não tem sido em vão os esforços de actualização dos endereços dos nossos companheiros, mas na verdade muitas cartas tem retornado à base.
Já temos contactos para o encontro


28/07/2008

Angola - Trabalho de Ganganeli





Aqui fica um trabalho do nosso antigo companheiro Ganganeli

FORMAÇÃO DE ANGOLA
Área: 1 246 700 km2

1 - EXPANSÃO TERRITORIAL, MISSIONAÇÃO E ACULTURAÇÃO
Na sequência das viagens de Nuno Tristão e Gil Eanes, o navegador Diogo Cão, na sua 2ª viagem de 1485-86 tornou a reconhecer o rio Zaire e explorou a costa angolana até a actual Luanda e colocou os padrões como testemunho da descoberta portuguesa naquelas terras e em 1490 D. João II, satisfazendo o pedido do rei do Congo, mandou para lá uma missão com sacerdotes franciscanos, artífices e ferramentas, dando início a missionação cristã e conversão ao cristianismo do respectivo rei e sua elite, política que D. Manuel I continua com o envio de mais padres, mercadores e conselheiros, e um grupo de jovens congoleses são enviados a Lisboa para formação cultural, em que se destacou o jovem Henrique, sendo ordenado sacerdote e consagrado bispo e vigário-apostólico do Congo, e mais tarde em 1662 é criada em Luanda a Junta de Missões com missionários capuzinhos, italianos. Estas acções formaram a base de cristianização até a actualidade das terras angolanas.
A partir de 1559 Paulo Dias Novais começou a ocupação das terras a sul de Luanda e fundou a povoação de Luanda, com a construção de fortaleza, igreja e castelo e concedeu terras para agricultura a cem famílias metropolitanas. Esta política é continuada pelo capitão Luís Serrão e em 1617 é fundada a povoação de Benguela, com fortaleza, igreja e castelos, e com as respectivas guarnições militares, mas em 1641 Luanda é conquistada pelos holandeses, obrigando aos seus habitantes a refugiarem-se para o interior, os quais ao fim de 7 anos, em 1648, com o reforço vindo do Brasil sob comando de Salvador Correia, reconquistaram Luanda e são construídos importantes edifícios e um activo porto marítimo.
Soldados, marinheiros, mercadores e ciganos metropolitanos, enquanto se dedicavam a sua actividade, produzem também a miscigenação populacional.
Para consumo deste grupo populacional e dos reinos indígenas a metrópole enviou têxteis, facas, loiça, sal, aguardente e tabaco, em troca de escravos e marfim, e com base neste desenvolvimento costeiro deu-se a expansão para o interior através das campanhas militares com jovens metropolitanos, açorianos, madeirenses e locais, acções em que se destacaram as guerras contra as tribos Mutambas e Hungus no século XVIII.
Estas campanhas partindo do lado angolano ocidental, bem como do lado moçambicano oriental, tinham o objectivo para ocupação das terras centrais, situadas entre ambos os lados, hoje designadas de Zâmbia, Malawi, Rodésia e Congo, destacando-se nessas viagens em 1790 os mercadores mulatos, Pombeiros, com a primeira ligação terrestre entre Angola e Moçambique.
Com o liberalismo e a independência do Brasil, Portugal em meados do séc. XIX virou-se com força à África para aí formar o 3º império e intensificaram as expedições geográficas e económicas para o interior, destacando-se nela o explorador Silva Porto, que se fixou no centro de Angola e que mais tarde suicidou-se por desgosto com a revolta das tribos locais nos Dembos no norte de Angola 1871-72 contra Portugal e a Sociedade de Geografia de Lisboa, criada em 1875, fomentou outras expedições, nas quais se destacou a expedição dos oficiais de marinha, Hermenegildo Capelo e Roberto Ivens em 1877 com a viagem, “De Angola à contra costa”, entre as outras viagens dos mesmos, bem como as expedições de Serpa Pinto, Henrique de Carvalho e outras de oficiais de exército, marinha, cientistas e comerciantes, contribuindo para o conhecimento geográfico, cartográfico e etnográfico.

Com base nessas expedições, na Conferência de Berlim, 1884-1885, Portugal reivindicou como seu território, desde a costa de Angola, de Foz do Zaire até à Foz do Cunene, até à costa moçambicana, apresentado no Mapa Cor-de-Rosa, mas foi decidido que a reivindicação territorial só se podia basear-se na ocupação efectiva do território, e a Inglaterra em Janeiro de 1890 apresentou o Ultimato ao governo português e Portugal foi obrigado a renunciar a maior parte daquele território, seja actual Zâmbia e a Rodésia, através do Tratado Luso-britânico de 1891.
Com este Tratado e entendimento entre todos os concorrentes e apesar da crise económica e financeira de 1890-93 iniciaram as campanhas de pacificação e ocupação efectiva, destacando-se a campanha militar de Alves Roçadas.
Mas apesar do entendimento, os ingleses e os alemães cobiçaram Angola, Moçambique e Timor, como compensação do empréstimo português feito nas instâncias internacionais e em 1904 a Alemanha quis a totalidade das colónias portuguesas, o que foi contrariado com o Tratado secreto de Windsor de 1899 entre Portugal e Inglaterra.
Em todo o caso, o entendimento serviu para delimitar as fronteiras dos territórios ultramarinos, em que se destacou, complementando com levantamentos geográfico e cartográfico, o almirante aviador, geógrafo e historiador Carlos Viegas Gago Coutinho, sobretudo em Timor em 1898 e depois em Niassa, Congo, Zambézia e São Tomé e Príncipe.

De novo, em 1913, a cobiça dos territórios, criou um plano secreto entre Inglaterra e Alemanha dividindo entre eles os territórios portugueses ultramarinos, mas a 1ª Guerra Mundial, 1914-1918, desviou a atenção dos interessados e Portugal foi forçado entrar na guerra para defender os territórios ultramarinos e para se encontrar entre os países importantes e nos ataque alemães a Angola e a Moçambique morreram, cerca de 5 000 militares das forças portuguesas, europeus e africanos.
A vitória dos aliados confirmou os direitos de Portugal a aqueles territórios.

Na década de 1930, mais uma vez, surgem planos para partilha dos territórios ultramarinos para a sua divisão há Mussolini entre Alemanha e Itália e também surgem notícias de entendimento germano-britânico, entre eles, para partilha de Angola e Moçambique.
É contra estas pretensões territoriais que Salazar criou o Acto Colonial de 1930 para uma melhor administração e controlo daqueles territórios, realçando que nenhum território ultramarino é alienável, e mais tarde em 1951, com a revisão constitucional, o conceito colonial deu lugar aos conceitos de “ultramar” e “províncias ultramarinas” e em 1972 a Lei Orgânica do Ultramar e os Estatutos Territoriais conferiram aos territórios ultramarinos o título de “Estados Ultramarinos”.

Os principais povos angolanos são os umbundos em Benguela e anbundos no norte de Benguela; congoleses ou quicongos no Congo e no sul e no oriente, os lundo-quioca, ganguelles, hereros, masuca-usubus, anebos e xindongos.

2 – DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO
Pombal face a expansão e desenvolvimento daquelas terras decretou a liberdade do comércio estimulando povoamento, comércio, agricultura e indústria e surgiram a fundição de ferro, industria de couro, celeiros públicos, alfândega e hospital em Luanda e diversas aldeias e povoações no interior e entre litoral e espaços interiores cruzaram-se as caravanas dos mercadores africanos que traziam para a costa cera, marfim e outros produtos e os escravos que eram comprados nas feiras e nas fortalezas portuguesas disseminadas pelo interior.
Em meados do século XIX, com a política de Sá de Bandeira, e com a supressão da escravatura, deu-se o combate a escravidão e introduziram-se carregadores e carros de bois para transporte de mercadorias e em 1854 criou-se a instituição tutelar dos libertos e o conceito da cidadania metropolitana foi igualado para todos os povos sob a bandeira portuguesa, independentemente do seu nível civilizacional, e o governo empenhou-se no ensino, fomento agrícola e fundou a imprensa oficial em Angola.

Para legalizar o comércio e obter receitas introduziram direitos alfandegários sobre exportações e os portos de Luanda e Benguela abriram-se a navegação estrangeira. Os agentes do desenvolvimento eram os burgueses com origem no Brasil e Metrópole e famílias crioulas com ligação também com ambos os territórios, e voluntários vindos do Brasil e da Madeira fixaram-se em Moçamedes, e o Estado vendeu terras a particulares para plantação de café, cana-de-açúcar, algodão e fundou-se o Banco Nacional Ultramarino em Luanda em 1864 para concessão de empréstimos aos plantadores e com o capital estrangeiro, sobretudo inglês, fomentou-se a navegação e criou-se a Companhia de Navegação de Cuanza, construíram o caminho-de-ferro, ligando Luanda, Ambaca, Macala, Malange, Lobito, Benguela e Moçamedes exploração e exportação das minas de cobre, portos, estradas, para exploração e exportação das minas de cobre, instalaram-se telégrafos e fizeram-se estudos hidrológicos, apesar da a crise económica e financeira de 1890-93.

Estas infra-estruturas básicas eram fundamentais para exploração e escoamento dos recursos minerais, sobretudo diamantes, e dos produtos agrícolas, borracha, açúcar, café, chá, oleaginosas, sisal, cacau, cera e para a sua comercialização e exportação surgem as respectivas companhias coloniais portuguesas e serviam também para lá escoar os produtos industriais metropolitanos excedentários, tecidos de algodão, vinhos, conservas de carne, azeite, massas alimentícias, calçado, tintas, etc., como prolongamento do mercado interno e do ultramar a metrópole recebia aqueles produtos para consumo e exportação via Lisboa.


No ano de 1930 foi aberto o primeiro “ Liceu Salvador Correia”, donde saíram na década de 1930 os primeiros ideólogos angolanos, Américo Machado, Viriato Cruz e António Agostinho Neto

Estas melhorias aumentaram a população metropolitana em Angola para 58 000, mas ao mesmo tempo criaram o deficit orçamental, produzindo a inflação e desvalorização monetária e paralisando a economia entre 1925-26 e, por falta de investimentos, os seus produtos não evoluíram em qualidade e preço, em relação aos produtos de outras proveniência, causando a queda de exportação, situação agravada, ainda mais, com as pretensões expansionistas da África do Sul para aqueles territórios e, bem como, com a crítica das condições do trabalho indígena e da missão civilizadora portuguesa feita pela Sociedade das Nações Unidas.

É neste contexto que Salazar elaborou o Acto Colonial de 1930, em que afirmou que o Estado Português não aliena nenhuma parcela do território colonial e aplicou restrições a concessões aos estrangeiros e aos particulares, relativamente as funções de soberania, de modo a reforçar a ideia de continuidade e complementaridade territorial do espaço metropolitano e ultramarino, como “uma comunidade de solidariedade natural”.

Com base neste projecto determinou o fim da autonomia financeira do ultramar e, consequentemente, o orçamento de cada território ultramarino ficou subordinado à aprovação do Ministro das Colónias ou do Governo de Lisboa, de modo a prevalecer o equilíbrio e bom aproveitamento das contas públicas.

E os territórios ultramarinos tornam-se parte do mercado interno e a grande indústria burguesa metropolitana passou a explorar e comercializar os produtos agrícolas, pecuária e matérias-primas, sobretudo minérios, daqueles territórios, política que permitiu equilibrar as contas externas do Estado Novo.

O Acto Colonial permitiu realizar mudança política, ideológica, institucional e administrativa, permitindo desenvolver os mercados metropolitanos e ultramarinos quantitativa e qualitativamente durante a guerra e na pós-guerra.

Na sequência do projecto da unidade territorial, baseando-se num Portugal pluricontinental e pluriracial, na década de 1950 introduziu-se o conceito de EEP, espaço económico português, em complemento de abertura a Europa e criaram-se condições para uma economia forte, em concorrência com o mercado metropolitano, investindo elevados montantes e dando início a instalação da 1ª industria têxtil e ao fomento agrícola, florestal e pecuário, desenvolvimento do caminhos-de-ferro, portos e transportes marítimos e fluviais, estradas, pontes e aeroportos, obras de urbanização e saneamento básico, instalação da energia eléctrica e fomento mineiro, obras que continuaram a grande ritmo até a Revolução de 25 de Abril de 1974.

Para a realização destes investimentos foi utilizada também a ajuda Marshall, no período de 1949-1951, sobretudo na indústria de carnes, prospecção de minérios, indústria de cimentos, em que se destacou o grupo Champalimau, e com o 1º Plano de Fomento Nacional incrementou-se a construção de barragens e centrais hidroeléctrica, e fez-se a modernização e aumento dos transportes marítimos.

Este desenvolvimento permitiu a emigração metropolitana para Angola e criaram-se colonatos de Cela no centro de Angola e de Matala no sul de Angola.

Por outro lado aplicaram novas regras no regime de trabalho indígena, sobretudo para acabar com o recrutamento compulsivo e, concomitantemente, procurou-se alargar a cidadania aos naturais, à mediada que as populações indígenas e tribais, se adquirissem hábitos e regras sociais civilizacionais, através da frequência das escolas e aprendizagem da língua portuguesa.

Em 1960 criaram-se colonatos de povoamento local e são criadas Juntas Provinciais de Povoamento rural e surgiram os projectos de colonatos de soldados e dos cabo-verdianos, e quanto a população metropolitana, esta preferiu ficar nas cidades.

Para o alargamento da cidadania aos naturais e para pôr cobro aos abusos individuais e mesmo institucionais, muito contribuiu a reforma de 1961 de Adriano Moreira, Ministro do Ultramar, mas como sempre a sua aplicação foi muito subjectiva e contrariada por preconceitos e interesses materiais.

Esta modelo governativo gerou crescimento do PIB, aumentou a produção industrial, sobretudo a indústria transformadora e extractiva, como, sisal, açúcar, café, diamantes, petróleo e minas de ferro, bem como a indústria de calçado e do vestuário, e, nos anos 1970, surgiram novas urbanizações e expansão das cidades, e aumentou a população, e tudo isto aliado aos movimentos dos contingentes militares, dinamizou o comércio e a partir da década de 1960 falou-se do “milagre económico” com o crescimento de 7% entre 1963 e 1973 contra 4% em media dos anos anteriores, e todo este quadro industrial e comercial encontrava-se estruturado nas principais Companhias a seguir indicadas:
- Companhia Angola de Agricultura, SARL (CADA);
- Sociedade Agrícola de Cassequel;
- Companhia de Diamantes de Angola;
- Companhia Mineira de Lobito;
- Cabinda Gulf Oil Company;
- Petrangol;
- Secil cimento;
- Secil marítima, SARL;
- Fabrica de Bicicletas e Motorizadas, Lda (FABIMAR);
- Tintas Dyrup de Angola, Lda;
- Angolan African Oxygen (eléctrodos para soldadura a gás);
- Indústria Electrónica de Ultramar (ANGOTRONICA);
- Sociedade Angolana de Acumuladores Tudor (SADAT);
- Sterling Farmacêutica Portuguesa;
- Companhia União de Cervejas,(CUCA);
- Companhia de Congo Agrícola (QUINTAS E IRMÃOS)
Com o 3º Plano de Fomento Nacional, surge o projecto Sines em 1972 com base no petróleo angolano, o qual com a revolução de 25 de Abril de 1974 e posterior alteração do modelo político ficou impraticável e portanto sem aplicação à nível do país todo.

3 – GUERRILHA E INDEPENDÊNCIA
Em 1954 Holden Roberto fundou em Leopoldville a UPA, União dos Povos Angolanos, que depois se transformou em FNLA, Frente Nacional de Libertação de Angola, com apoio norte-americano; em 1955 é criado o Partido Comunista de Angola, por iniciativa do Partido Comunista Português, no meio dos metropolitanos residentes nas cidades de Angola, e que em 1956 se transformou em MPLA, Movimento Popular de Libertação de Angola; no mesmo ano surgiram os tumultos dos trabalhadores contratados no norte de Angola, causando as primeiras ofensivas policiais contra independentistas; em 1960 foram presos Agostinho Neto, líder do MPLA, e o padre Joaquim Pinto de Andrade, e a 4 de Fevereiro de 1960 deu-se o ataque frustrado às cadeias para libertar os presos políticos e no funeral das vítimas policiais surgiram violentas perseguições e matanças nos muceques de Luanda e dia 15 de Março a UPA lançou os mortíferos ataques no norte de Angola e em Janeiro de 1961 os trabalhadores das plantações algodoeiras de Baixa de Cassenje, no norte de Angola, revoltaram-se e entraram em greve, sendo a rebelião esmagada com centenas de mortos entre os revoltosos, por intervenção militar.
A guerrilha, durante 13 anos de luta, até à democratização do Estado Português, com a revolução de 25 de Abril de 1974, apenas conseguiu destruir a economia tradicional e rural, com perdas de colheitas, envenenamento dos solos, e com as deslocações forçadas das populações.
Em 1975 o MFA, Movimentos das Forças Armadas Portuguesas, encetou conversações em Alvor, para transferir o poder aos movimentos de libertação, então, transformados em partidos políticos, formando um governo provisório, o qual entrou em conflito e em 11 de Novembro de 1975 em Luanda o MPLA proclamou unilateralmente a República Popular de Angola e em Ambriz, no mesmo dia, a FNLA e a UNITA proclamram outro Estado independente.
O Governo Português e maioria dos países internacionais reconheceram o MPLA como governo legítimo.
Estes acontecimentos deram origem a guerra civil, abrangendo todo o território angolano durante mais de 25 anos, assim a guerrilha rural anterior ao 25 de Abril de 1974 transformou-se em guerra armada urbana e que durou o dobro do tempo da guerrilha independentista e só nos primeiros três meses provocou só em Angola mais mortos e feridos do que durante os 3 anos de guerrilha em todo o território ultramarino africano e nesta guerra o MPLA foi apoiado militarmente pela União Soviética e pela Cuba.
A FNLA e a UNITA tiveram apoio dos EUA, China, Coreia do Norte, Zaire e África do Sul.
Principal bibliografia consultada: História de Portugal; José Mattoso
História de Portugal; José Hermano Saraiva

26/07/2008

Convivio de 06 de Setembro - BCAC2877




Já foram remetidas todas as cartas, conforme lista de moradas na nossa posse e actualizadas à data da remessa dos convites.
Uma ou duas já vierem devolvidas.
Não tantas quantas no passado ano e em especial no ano de 2006 em que muitas tiveram retorno, especialmente porque os endereços estavam incompletos.
A partir deste momento, fica no espirito de cada um dos que receberam a nossa carta, a motivação e o empenho de estarem presentes.
Quem organiza estas confraternizações, apenas o faz com o sentido de tornar possível o nosso reencontro.
Queremos que fique bem claro que não existe "qualquer espirito comercial ou outro de qualquer natureza" a orientar ou motivar o imenso trabalho que dá o por em marcha, organizar e acompanhar até ao final o convívio, com o espirito de que tudo decorra da melhor forma, em todos os aspectos.
A nossa esperanmça e vontade, está sempre confinada à ideia de que momentos destes, vividos em companhia de quem foi nosso companheiro nos bons e maus momentos passados na Guerra de África, serem acima de tudo para descontrair e recordar.
O convite aí está.
A confraternização já está em marcha e só vai parar no final do almoço do dia 06 de Setembro

22/07/2008

ZAU ÉVUA - encontro

O editor do Blog
Foto tirada próximo do "aterro sanitário", com a cidade capital, Zau Évua, ao longe



Mensagem recebida de um nosso antigo companheiro da Guerra de África que tambem passou por Zau Évua e "arredores".


Vamos colocar à discussão no nosso próximo encontro a possibilidade de se efectuar um encontro/confraternização aberto a todos os que andaram por aquelas bandas.


Passamos a aceitar sugestões.



  • """"""
    Encontro‏
    De:
    Josué Lima (josuelima@kanguru.pt)

    domingo, 20 de julho de 2008 20:51:05
    Para:
    27 José Martins (josemartins51@hotmail.com)
    Cc:
    (A) Brás Gonçalves (zauevua@hotmail.com)

    Caro amigo José Martins

    fiquei satisfeito em saber que vai tudo bem consigo e que continua com a desenvolver a actividade que mais aprecia.

    Do Lessa soube que ele entrou em contacto devido ao livro. Conheço-o pessoalmente pois vivemos relativamente próximos e um dia marcamos um encontro para nos conhecermos e foi interessante.
    Efectivamente ele esteve em Quiende e naturalmente que conheceu Zau Évua e já me disse que gostaria de estar presente no nosso Encontro quando ele se realizar. É evidente que lhe disse que sim e agora só faltará que o Rui comece a efectuar as necessárias diligências para a realização do mesmo.
    Se ele não puder eu não tenho qualquer problema em o organizar em qualquer ponto do país.

    Agora vou lançar um repto pois tenho andado a pensar nele há algum tempo e parece-me ser oportuno "falar" dele.

    Razão pela qual este e-mail vai também dirigido ao Brás Gonçalves, do BCAC 2877, que tem como capital a "cidade" de ZAU-ÉVUA.

    Porque não fazer juntar os dois Encontros num só, já que existe muito de comum?! E o mais importante é Zau-Évua e toda a história envolvente, desde Ambrizete a S.Salvador.

    Não digo para este ano, uma vez que pelo que li no blog da BCAÇ já têm o encontro marcado para o dia 06 Setembro em Santo Antão, mas para o próximo e vindouros.
    É um repto que lanço aos Generais e aguardo que pelo menos pensem nele.

    E isto não tem nada de extraordinário, pois dou como exemplo o Encontro dos Dragãos de Angola que procuram juntar todos quantos nos diversos anos por lá passaram. E têm conseguido, pois este ano estiveram cerca de 500 (quinhentas) pessoas no encontro que anualmente fazem em Almeirim.

    Um abraço a ambos

    Saudações e Inté

    Josué Lima
    """""

21/07/2008

BCAC2877 - Angola - Chegada a 21/07/1969

Grafanil


Em 21 de Julho de 1969, Neil Armstrong pisou o solo lunar e fez história. Hoje, mais de trinta anos depois, a conquista do espaço continua a ser considerada como um dos feitos mais notáveis da Humanidade

No mesmo dia, após saída de Lisboa a bordo do Vera Cruz, chegou a Luanda o BCAC2877.
Ao colocar o pé em terra de Angola, era dado o sinal de partida para uma longa e penosa maratona de 2 anos consecutivos nas matas do Norte de Angola.
Que hoje, passados tantos anos, muitos já não se recordam dos feitos dos astronautas com a sua chegada ao satélite da Terra, trazemos o avivar de memória a todos os que nos visitarem de quanto nos pesa nos corações esta data histórica - a nossa chegada a Luanda.
O desembarque, a ida para o Grafanil em comboio, tal qual como na 2ª guerra, para um campo militar que servia de "campo de expedição" de todas quanto chegavam a Angola e por aí aguardavam uns dias até à sua saída para os aquartelamentos onde muitos chegavam e tambem muitos não regressavam.
Este avivar de memória não terá muito significado para a maioria dos nossos filhos, muito menos para os nossos netos.
As facilidades das "vidas actuais" não se compadecem com a nostalgia dos momentos dificeis que muitos dos seus familiares lutaram e passaram.
Para muitos de nós, são tambem já hoje, momentos que já passam a estar arredados dos pensamentos.
Duma ou de outra maneira, aqui fica uma menção aos factos, às datas, acima de todo à memória daqueles que foram e não voltaram.
Aos companheiros do BCAC2878 que connosco viajaram, aqui fica um forte abraço de muita amizade.
oria

18/07/2008

BCAC2877 - Confraternização 2008

Seguiram hoje por carta as convocatórias para a confraternização de 06 de Setembro na

Mapa com a localização do restaurante

Batalha, fica próximo

Fátima tambem fica próximo

16/07/2008

Luanda - BCAC2877 chegou em 21/07/1969

A caminho de Luanda com chegada a 21/07/1969, era este o percurso do Vera Cruz nestes dias até aquela data que ficou célebre na história da humanidade.
Na mesma noite que avistámos as primeiras luzes da cidade de Launda, estava o primeiro homem a chegar à Lua.
Pouco tempo teve na Lua, comparado com os nossos 2 anos.

13/07/2008

BCAC2877 - Nomes e Moradas

Publicamos uma lista dos nomes e moradas de todos os companheiros ainda em actualização.
Podem verificar na coluna à direita do Blog

Alguma anomalia, falta ou acrescento de elementos, pedimos que nos informem

12/07/2008

Guerra de Africa -12 de Julho de 1969 embarque do BCAC 2877


Aqui deixamos, em mais um ano passado, a recordação amarga do nosso embarque para Luanda a 12 de Julho de 1969.
Muitos dos que foram, não voltaram.
Muitos dos que voltaram, já não estão vivos para nos acompanharem.
De todos e para todos, aqui deixamos um grande abraço de amizade, de companheirismo que se gera, se sedimenta e perdura para sempre, quando nascido de tempos e momentos de grandes dificuldade e incertezas.
Assim foi a vida de todos nós, naqueles 2 anos, perdidos, na nossa vida.
Por mais que não queiramos, as recordações da passagem pela guerra deixa marcas que irão permanecer por todo o resto da nossa vida.
Os sons, os cheiros, as memórias, vão passando muitas vezes, como um filme, aos pedaços, sobre as nossas consciências.
Aparecem em qualquer momento, sem se saber porquê.
Vivem acumuladas, como o pó num velho sotão, que de quando em quando é visitado e limpo.
Rebuscamos e aqui deixamos, parte da apresentação do Blog da CCAC2544 que seguiu connosco no Vera Cruz.
Um grande abraço tambem para todos eles

Lumege
O dia em que desembarcámos em Luanda está registado a letras de ouro na História da Humanidade. Porque foi o dia em que o Homem desembarcou na Lua! Depois do Grafanil, veio o Lumege e mais tarde o Forte República. Éramos a CCaç. 2544 do Batalhão de
Caçadores 2878, jovens apanhados na curva serôdea do colonialismo. Não desejámos a Guerra Colonial, mas participámos nela. Com que proveito? O da amizade que construímos e mantemos.

09/07/2008

BCAC2877 - Confraternização 2008

A partir deste momento, os organizadores dos almoços de confraternização, vão passar ao "ataque", no sentido de não deixar passar nada em claro, para que o nosso encontro anual possa decorrer da melhor maneira possível e, sempre com o intuito de que tudo seja do agrado da grande maioria de todos nós.

Pede-se a colaboração de todos os antigos companheiros que vão visitando o Blog, que façam a divulgação do dia, data e local da confraternização.

Todos os anos acontecem situações de companheiros que passado o almoço nos dizem que desconheciam a data, o local, etc.

Acontece tambem, o facto de as nossas listagens de moradas não estarem actualizadas, o que origina a devolução de imensa correspondencia.

Aqui fica o apelo

02/07/2008

BCAC2877 - Angola

Na época das chuvas, uma grande parte da área circundante do aquartelamento de Zau Évua ficava inundado.
Com uns bidões e umas tábuas fazia-se uma jangada para o divertimento de muitos