17/02/2009

Mensagem

O termo usado ma guerra era MSG - Mike Sierra Golf, assim mesmo.
Ora aqui esta mensagem - pedimos alvitres, informações, sobre o local para a confraternização deste ano.
Será novamente lá para meados de Setembro.
É sempre dificil contentar todos. Pelo preço, pela localização, pela ementa, etc.,
Como o óptimo é impossivel e nos ultimos anos as nossa confraternizações têm decorrido muito bem, pelo que se sabe e consta, não querímos que tal deixasse de acontecer.
Aqui deixamos o pedido - locais para a confraternização.

14/02/2009

De Jose Niza a Zeca Afonso

Para ler e ouvir, sobre Zeca Afonso, fala José Niza.
Visitem o Sitio
O Meu amigo Zeca (II)

Em 1969, pouco antes de ir para a guerra, eu tinha composto a música para duas peças do CITAC, encenadas por um dos maiores nomes do teatro europeu e discípulo de Bertold Brecht: Ricard Salvat. A primeira, "A Excepção e a Regra" de Brecht. A segunda, "Castelao e a sua época". Ambas foram proibidas e o Ricard Salvat acabou por ser preso pela PIDE e despejado em Badajoz, no dia em que começou a greve académica de 69. Para esta segunda peça compus muitas canções, entre as quais "Cantar de Emigração", "Emigração", "Para Rosalía". O "Cantar de Emigração" era cantado em Coimbra por toda a malta e rapidamente se tornou um sucesso. De tal forma que hoje conheço mais de trinta versões cantadas em português, galego, castelhano, francês e alemão. Foi nessa altura que verdadeiramente comecei a compor a sério e a ser conhecido no pequeno mundo da música portuguesa.

A versão do "Cantar de Emigração" que o Adriano lançou no seu LP "Cantaremos" (1970), fez o sucesso desse disco e levou o Adriano a escrever-me para a guerra e a pedir-me que fizesse todas as canções do seu álbum seguinte. Mas, mais do que isso, ele e o Zeca propuseram-me ao Sr. Arnaldo para dirigir a produção dos discos Orfeu. De certa forma foi isso que me abriu as portas para tudo o que depois vim a fazer na música portuguesa.

Entretanto o Zeca continuava, anualmente, a semear autênticas obras-primas: "Contos Velhos Rumos Novos" (1969), "Traz outro amigo também" (1970).

E estamos chegados a Agosto de 1971, altura em que regressei da guerra e comecei a trabalhar na produção dos discos Orfeu. Em cima da mesa estavam dois grandes projectos para lançar antes do Natal desse ano: o Zeca iria a França gravar um disco com direcção do José Mário Branco. E o Adriano ficaria em Lisboa (ainda estava na tropa) a gravar comigo o disco que eu tinha composto para ele. Como ambas as gravações foram feitas ao mesmo tempo eu não pude ir a França com o Zeca e fiquei em Lisboa a dirigir o disco do Adriano. Quando o Arnaldo Trindade ouviu os dois discos ficou em estado de choque musical: aquilo era muito mais do que ele sonhara!