21/12/2012

Boas Festas

                                      Votos de Boas Festas a todos os nossos companheiros da Guerra de África e aos seus familiares

02/12/2012

APRE!~- Aposentados, Pensionista e Reformados

Hoje no "Público"na página 52, descarreguei a raiva que tenho contra quem aprovou as medidas que nos vão conduzir à miséria, através do texto "Consegue dormir, Sr. Deputado da maioria?"

Consegue dormir descansado, Sr. Deputado?!!!
Consegue dormir descansado, Sr Deputado da maioria, depois de ter levantado o braço para aprovar a lei do Orçamento de Estado para 2013? Não sentiu o braço pesado? E a sua consciência, não lhe pesou? É que a mim pesam e muito as medidas que os senhores acabaram de aprovar claramente discriminatórias dos "cidadãos" aposentados, pensionistas e reformados, grupo em que me incluo, em grosseira colisão do O.E. com o princípio da Igualdade, da confiança e da boa-fé.
No círculo familiar próximo do Sr. Deputado, não há "idosos" pertencentes à classe média, aquela que V. Exªs querem exterminar? Ou são todos da classe alta?
Não vos disseram que a partir das medidas que os senhores aprovaram os vossos familiares também estão a ser roubados, relativamente ao compromisso assumido pela Segurança Social e pela Caixa Geral de Aposentações no momento em que se reformaram?
Não foram estes 270 mil, que os senhores consideram "privilegiados" que contribuíram para a economia, cultura e bem social deste país? E que dizer dos restantes, que prefazem os 2 milhões e 600 mil que, já agora vivem abaixo do "limiar da pobreza" tendo há muito ultrapassado este limiar para um nível negativo?
Não conhecem os senhores deputados da maioria que muitos destes cidadãos viveram toda a vida honestamente, descontaram o que o Estado exigiu para que tivessem direito a uma pensão de reforma calculada com base no valor desses descontos, e agora os senhores aprovam a redução dos escalões do IRS colocando pessoas com ordenados de 600 euros a fazer descontos de 14,5% para o IRS? E aumentam brutalmente os descontos para este imposto das pessoas que já não usufruem rendimentos do trabalho? Não conhecem o agravamento que a sobretaxa de 3,5% aplicada aos aposentados, pensionistas e reformados vem trazer às pensões de reforma deste grupo social?
Tiveram a coragem de aprovar uma contribuição extraordinária de "solidariedade" para vencimentos superiores a 1350 Euros, sabendo que isso é um imposto encapotado? Sabem que os aposentados, pensionistas e reformados assumiram compromissos que seriamente vinham cumprindo e que as medidas que os senhores aprovaram vão pôr em causa esse cumprimento? Querem ver os reformados a viver debaixo das pontes, depois de entregarem as casas por não cumprimento do seu contrato com os bancos? Querem ver os reformados a ter que ficar sem água, luz e gás devido às medidas agora aprovadas? Querem ver os reformados a "vasculhar" nos caixotes do lixo para recolher restos de comida? Os senhores sabem que muitos reformados ainda têm pais a seu cargo, filhos desempregados e netos para apoiar? Os senhores estão a ser coniventes com as medidas que o Sistema de Saúde está a preconizar para os "não utilitários", prestando a estes só os serviços mínimos e acredito que sejam dos que pensam "que os nossos velhos já estão mortos e que, no fim de contas, estamos todos mal enterrados..."como diz Joaquim Letria, Eu se estivesse na situação dos Senhores Deputados, já não conseguia dormir com tanto peso na consciência e dor no braço que se levantou para apoiar estas medidas. É que eu já não consigo dormir a fazer contas ao que está para vir, mais ainda o que, fria e cruelmente, o Sr. Primeiro-Ministro anunciou na entrevista que deu à TVI relativamente às pensões de reforma, e dói-me não o braço, apesar de me apetecer dar muitos murros…na mesa, mas a Alma, esta coisa que parece faltar a quem nos (des)governa e aos senhores que votaram este orçamento que irá empobrecer o país.
Já agora, uma palavra para os senhores deputados do Partido Socialista: Se existe a convicção que uma determinada lei, e ainda mais a lei do Orçamento, viola a lei fundamental, é obrigação dos deputados pedir a verificação dessa constitucionalidade. Assim garantem que não vivemos numa república onde a lei constitucional é um mero adereço e a oposição uma mera sala de espera para o governo seguinte.
Maria do Rosário Gama (Coordenadora da Pró-Associação APRE!- Aposentados, Pensionistas e Reformados)

26/11/2012

APRE - deslocação de Lisboa a Coimbra

Autocarro
 
Local de Partida e chegada : Campo Grande junto à Biblioteca Nacional (subindo o Campo Grande pela lateral direira quase a chegar a Entrecampos), com chegada ao mesmo local. O parqueamento ao sábado é gratuito.

Partida dia 1 /12 Concentração 10H30 Saida de Coimbra após fim da Assembleia Geral.
A viagens durarão cerca de 3 horas com paragem em área de serviço da auto-estrada

Preço: Total dos Encargos com o Aluguer a dividir por todos (estimamos entre os 10Euros e no máximo 15Euros, dependendo dos participantes)

Pagamento : No local 

Pensionistas - Mal enterrados

Mais um subsídio literário para nosso reconforto


Por Joaquim Letria

A REDUÇÃO das reformas e pensões são as piores, mais cruéis, e
moralmente mais criminosas, das medidas de austeridade a que, sem
culpa nem julgamento, fomos condenados pelo directório tecnocrático
que governa o protectorado a que os nossos políticos reduziram
Portugal.

Para os reformados e pensionistas, o ano de 2013 vai ser ainda pior do
que este 2012. Os cortes vão manter-se ou crescer e, com o brutal
aumento de impostos, a subida dos preços dos combustíveis, do gás e da
electricidade, e o encarecimento de muitos bens essenciais, o
rendimento disponível dos idosos será ainda menor.

Os aposentados são indefesos. Com a existência organizada em função
dum determinado rendimento, para o qual se prepararam toda a vida,
entregando ao Estado o estipulado para este fazer render e pagar-lhes
agora o respectivo retorno, os reformados não têm defesa. São agora
espoliados e, não tendo condições para procurar outras fontes de
rendimento, apenas lhes resta, face à nova realidade que lhes criaram,
não honrar os seus compromissos, passar frio, fome e acumular dívidas.

No resto da Europa, os velhos viram as suas reformas não serem
atingidas e, em alguns casos, como sucedeu, por exemplo, em Espanha,
serem até ligeiramente aumentadas. Portugal não é país para velhos. Os
políticos devem pensar que os nossos velhos já estão mortos e que, no
fim de contas, estamos todos mal enterrados...

(12.11.12)



-

 

 

20/11/2012

APRE

Dê uma volta por todos estes sitios para semtir a força que a APRE começa a ter
 
  • APRE - Blog  -  A APRe! é uma Organização que trabalha em prol de todos os reformados, qualquer que seja a sua filiação partidária ou orientação religiosa, sendo constituída por pessoas que terão as mais diversas ligações partidárias e confessionais.
    2) A APRe! é uma Associação de cidadãos com interesses convergentes, que atravessam todo o espectro partidário, e desenvolve a intervenção política necessária à defesa da causa a que se dedica: os direitos dos aposentados, pensionistas e reformados.
 
 
 
 
 

05/11/2012

APRE - Associação de Pensionistas e Reformados

APRE - Associação de Pensionistas e Reformados

Foi hoje aprovada a constituição desta Associação, numa reunião muito participada por pensionistas e reformados oriundos de todo o país, cujo número excedeu todas as expectativas, esgotando as instalações da ACM, em Coimbra. 
Presidido por Maria do Rosário Gama em representação da Pró-Associação, o Movimento Cívico desenhou os objectivos a prosseguir, a organização e a implantação territorial da Associação. 
Foram variadas as intervenções que registaram o interesse de delegações de participantes de Guimarães, Braga, Porto, Aveiro, Coimbra, Leiria e Lisboa, entre outras.
Vai ser constituída uma Comissão Administrativa a quem incumbe a elaboração do projecto de estatutos bem como do desenvolvimento de todo o processo da institucionalização da APRE.
As pessoas que pretendam aderir devem fazê-lo por mail, para:
informando,
- Nome
- N.º BI/CC
- Contacto telefónico
- E-mail
- Localidade de residência

04/11/2012

Fotos



















Recordar

 
Olhando para esta foto tenho que relembrar as muitas horas de "trabalho" e de convívio que tive com o Guilhermer Gouveia, já falecido, nesta foto, está no meio. Foram muitos dias, muitos meses a conviver lado a lado, porta com porta entre o Centro Cripto e a Sala das Operações e Informações. Sabemos bem que a vida não para, mas olhando para estas fotos, não podemos nunca deixar de pensar, quão jovenms nós eramos e todo o tempo inglório que das nossas vidas por lá deixamos disperso nas matas de Angola, apenas serviu para nos tornar a vida mais dificil, complicada e atrasando o nosso futro de então.  Gouveia, era meu conterrâneo da Cova da Piedade e faleceu ainda muito jovem. Cantava o fado e sempre teve este ar de muito jovem, tinha um andar e um modo de falar muito próprio, era simpático e gaguejava um pouco. Creio que foi por sua culpa que não mais pude cheirar sequer uma bebida horrorosa a que chamam Martini - no dia do seu aniversário, fizemos uma pequena festa acompanhada de 7UP e Martini e nesse dia, bebi mais Martini que 7UP. No dia seguinte, fiquei com a boca a "saber a papéis de música" e com a certeza de que não beberia mais aquele produto quimico. E assim foi até hoje. São recordações em manhã de Domingo, chuvoso, triste, como muitos daqueles que por lá tivemos que passar.
Estou a aguardar que chegue o MVL a caminho de SSalvador, porque hoje  é  Domingo. 
Um abraço aos que nos visitarem

03/11/2012

O MVL e a guerra

A guerra nunca tem  Sábados, feriados ou Domingos de descanso.
Ao Domingo, passava por Zau Évua o MVL e com ele vinham mantimentos, materiais e equipamentos, pois era por esta forma que as unidades militares e os civis eram abastecidos, com excepção de alguns fornecimentos e correio que chegavam por avião.
Era uma pequena festa, ver a entrada de algumas camionetas no aquartelamento carregadas de grades de cerveja e de outras bebidas e viveres.
Para alem disso, sempre se procurava se  algum conhecido ou amigo ia de viagem mais para o norte, Quiende e São Salvador.
As escoltas eram feitas pelo pessoal do batalhão, mas de outras companhias que faziam a entrega do MVL no aquartelamento seguinte de que depois voltavam para trás, para o seu e também se aproveitavam estes momentos para a confraternização com os elementos da escolta, pois só nestas alturas se podiam encontrar.
A escolta e o MVL tinha a sua "guerra" própria, com a sua passagem em dias da semana sempre iguais e sempre de igual modo.
A guerra propriamente sendo também igual, tinha a variante ser sempre diferente em cada dia da semana, não importante se era ou não Domingo ou feriado.

01/11/2012

Pos-Stress Traumático

Ao cuidado dos muitos nque passaram pela Guerra de África

"A Perturbação Pós-Stress Traumático (PPST) é um problema de ansiedade que surge, como o próprio nome indica, depois de uma pessoa ter sido exposta a um acontecimento que constituiu um trauma psicológico.

Se já foi exposto a um acontecimento que constitui um trauma psicológico é possível que tenha desenvolvido um problema de ansiedade relacionado com essa situação. Habitualmente, trata-se de um acontecimento que foi uma ameaça à sua segurança ou à sua vida, em que terá sentido medo, desespero, falta de ajuda ou horror intenso.

Para que se torne mais claro para si damos-lhe alguns exemplos de acontecimentos traumáticos:

  • Provocados por seres humanos: assalto, violação, abuso, tortura, guerra;
  • Provocados por acidentes: automóveis e transportes em geral, trabalho;
  • Provocados por fenómenos da natureza: incêndios, inundações, tempestades, terramotos.

O que os estudos da comunidade científica nos informam é que o número de pessoas a sofrerem desta perturbação ronda os 8% nos Estados Unidos da América. Existem, mesmo, alguns autores que começam em falar em proporções assustadoramente superiores. Embora gostássemos de lhe dar números sobre a realidade portuguesa, actualmente, ainda não existe informação quanto à prevalência na população em geral nos outros países.

Um factor que deverá ter em conta para a compreensão desta perturbação é que ela muitas vezes manifesta-se sem que todos os critérios de diagnóstico estejam preenchidos. Dá-se a esta configuração o nome de PPST sub-clínico e, embora possa passar despercebida, origina igual sofrimento à vítima do trauma. A PPST pode ocorrer em qualquer idade, porque podemos sempre estar sujeitos a um acontecimento traumático. Se este é o seu caso, a memória de um acontecimento traumático poderá ter começado a condicionar, em larga medida, o seu pensamento e desde então, é como se lhe tivesse sido retirado o significado da sua vida.

Falar de PPST significa ter de falar sobre trauma e, portanto, convém apresentar alguns esclarecimentos importantes:

  1. Nem todas as pessoas que passam por uma situação traumática desenvolvem PPST. As reacções a acontecimentos potencialmente traumáticos são diferentes de pessoa para pessoa, por isso, entre pessoas expostas a um mesmo acontecimento uma parte pode senti-lo como traumático e outra parte não o faz. Isto acontece porque um aspecto determinante do desenvolvimento da perturbação se relaciona com a avaliação, o significado e o impacto que o acontecimento traumático tem para passou por ele. No entanto, e apesar da recente investigação neste sentido, ainda não existem conclusões definitivas sobre aquilo que pode ser um elemento diferenciador entre essas pessoas.
  2. A vivência de situações traumáticas pode estar na origem de outras disfunções psicológicas, algumas potencialmente mais complexas e graves, pelo que, no caso de se rever nalguns sintomas de PPST, convém sempre passar por um diagnóstico efectuado por um psicólogo/psiquiatra qualificado, que possa determinar o que se passa consigo.
  3. Acontece, a algumas pessoas, passar pela sintomatologia de PPST, e conseguirem resolvê-la sozinhas. No entanto, e como não há forma de saber se será esse o seu caso, se está em sofrimento é aconselhável pedir ajuda rapidamente, já que existem intervenções eficazes para resolver esta disfunção.
  4. Actualmente, muitos autores defendem a existência de traumas de "t" pequeno, para chamar a atenção para um facto que a maior parte dos psicólogos conhece da sua prática clínica: não é preciso estar envolvido numa situação de catástrofe ou perigo de vida para se vivenciar algo como traumático. Basta que, de alguma forma e por qualquer motivo, o nosso organismo nos tenha entendido impossibilitados ou incapazes para lidar com uma dada situação. Se pensarmos bem, a nossa infância e adolescência é pródiga de situações assim: simplesmente não temos os recursos adequados para fazer face a algumas coisas que nos acontecem, ainda que, quando olhadas com os olhos de um adulto, elas surjam como bastante triviais. Dificilmente os traumas de "t" pequeno darão origem a uma patologia da ansiedade como a perturbação do pós-stress traumático, mas deixam a sua marca, por vezes significativamente desconfortável, e outras, moldando-nos de forma indelével em vivências desajustadas ou que nos desagradam. Também estas reacções a traumas de "t" pequeno podem e devem ser trabalhadas em contexto psicoterapêutico, sendo, frequentemente, resolvidos com recurso às mesmas técnicas que se utilizam para resolver as situações de PPST.Se sofre de memórias intrusivas (contra a sua vontade) e recorrentes do acontecimento, sentindo que este está a ocorrer novamente (sensação de reviver o trauma), normalmente designados flashbacks, se tem sonhos muito perturbadores que podem conduzir a insónias graves, se está muito vigilante com o corpo muito agitado, se evita situações, pessoas ou conversas que lhe façam recordar o trauma, é muito importante que procure ajuda para diminuir o seu sofrimento.  ( oficinadepsicologia.com  )

26/10/2012

Madruga e o capelão

O capelão, o Madruga e...

Jose Niza e o livro Golden gate

"Para que servem as apresentações de livros? Esta foi a interrogação lançada pelo cantor Manuel Freire colocado perante a tarefa de apresentar em Santarém, ao fim da tarde de quinta-feira, 25 de Outubro,

"Golden Gate - um quase diário de guerra", o novo livro de José Niza, poeta, escritor, músico, compositor, político, autarca, psiquiatra e figura maior da cidade, falecido em Setembro de 2011, foi apresentado esta quinta-feira em Santarém. A sessão esteve a cargo de Manuel freire, cantor de "Pedra Filosofal", que despertou o interesse do potencial leitor e arrancou com frequência sorrisos à plateia que assistiu na livraria Leya na Caminho.

O livro é baseado nas centenas de cartas que José Niza escreveu à esposa quando se encontrava na guerra colonial em Angola, entre 1969 e 1971, onde era médico de um batalhão. Nele se encontram pormenores muito pessoais que ajudam a conhecer a personalidade de José Niza, como por exemplo a sua aversão à moda feminina das calças e das maxi-saias no início dos anos 70, como notou com humor Manuel Freire. "O Zé era um adepto da mulher com a perna à mostra".

Mais a sério, Manuel Freire elogiou a coragem de José Niza e da sua família directa, mulher e filhos, em expor em letra de forma uma fase da sua vida privada. "Um livro baseado nas cartas de amor que trocou com a mulher durante dois anos e tal é uma atitude corajosa", disse o apresentador, definindo-o como um livro de amor recheado de episódios satíricos e surreais vividos naquela "guerra de opereta".

Os direitos do livro foram doados pela família de José Niza à Associação dos Deficientes das Forças Armadas. A viúva de José Niza, Maria Isabel Mota, visivelmente emocionada, agradeceu a todos os que possibilitaram a edição do livro, bem como a sua apresentação em Santarém, destacando o papel de Manuel Alegre por ter conseguido interessar a editora por aquele projecto literário." in ( O Mirante)

23/10/2012

Zau Évua

Ganganeli ( enfermeiro), Barrento (Pelrec) e Salvado, já falecido (PelRec), no descanso, numas belas "poltronas feitas de aduelas de barris de vinho, ao mais moderno estilo zaueviano

17/10/2012

Golden gate- Um quase diário de Guerra

Tenho o livro de José Niza lido, como o faço com os livros de poesia, abrindo-o numa qualquer página e a partir daí, para a frente ou para trás.
Para além da curiosidade de saber o que se passou por aquelas terras do fim do mundo, sob o pont...
o de vista e da experiência do médico, ficou-me tambem o interesse de saber o muito que José Niza analisou sob a sua experiência em terras de Angola ao sabor da sua profissão - médico.
Mias para diante, voltarei paratecer algumas considerações sobre algumas das passagens do livro e do seu estilo de escrita.
Um livro para ler e pensar sobre o que se passava naquela "guerra", as fruatações, os traumas, as doenças fisicas e mentais. Voltarei ao assunto num dia destes.

"A obra “Golden Gate – Um quase diário de guerra”, de José Niza, é “um livro de memórias” de uma guerra colonial que “aconteceu durante 13 anos”, escreve no prefácio o compositor residente em Santarém falecido em 23 de Setembro de 2011.O livro agora editado resulta da correspondência diária que manteve com a mulher durante o período em que esteve “naquele mato de Angola, húmido e quente”, no aquartelamento de Zau Évua, entre 1969 e 1971.


José Niza fora destacado para o contexto da guerra no Norte de Angola como médico. “Uma guerra onde o médico e o capelão eram os terapeutas do espírito mais ou menos primário e sempre psicologicamente descompensado, daqueles mancebos que, por exclusivas razões de idade, foram incumbidos de defender a Pátria contra o fluir da História”. Segundo afirma, “na consulta havia sempre mais gente que na missa”, a única excepção era a missa de Natal.

Das cartas enviadas à mulher, foram retirados extractos que são apresentados nesta obra como páginas de um suposto diário. A 17 de Julho de 1969 Niza escreveu: “Chegou cá a notícia de que o Salazar está muito mal, que está mesmo a morrer. Aliás, ele já morreu há dois anos. A certidão de óbito é que está atrasada”.

Noutro passo, com data de 10 de Dezembro de 1970, dá conta dos presentes de Natal que os militares ali destacados receberam, enviados pelo Movimento Nacional Feminino (MNF): “Um pacote de amêndoas, o que dará uma por cada soldado; meia dúzia de lâminas de barbear; o que dará uma lâmina por cada caserna; e ainda meia dúzia de pastas de dentes, o que só dará para os desdentados”.

“Apeteceu-me escrever à Cilinha [Cecília Supico Pinto, líder do MNF] a agradecer a amêndoa que me coube. E, como deixei crescer a barba, vou oferecer a minha parte da lâmina a quem necessitar”.

Há também excertos mais íntimos, e até confessionais, como a que escreveu a 6 Julho de 1970, dirigindo-se à mulher: “Gostar de ti é uma vocação, um modo de vida, uma ocupação permanente, uma invenção de sonhos, uma antecipação do tempo que há-de vir. Estás presente. Amo-te em full time”.

José Niza, autor de temas como “E depois do adeus”, foi médico psiquiatra, compositor e deputado e autarca do Partido Socialista em Santarém, onde durante dois mandatos presidiu à assembleia municipal. Residia em Perofilho, nos arredores de Santarém.

Como músico trabalhou com Janita Salomé, Tonicha, Paulo de Carvalho, Simone de Oliveira e Carlos do Carmo, entre muitos outros, tendo, como autor, vencido quatro festivais RTP da Canção."
In "O Mirante" - http://www.omirante.pt/noticia.asp?idEdicao&id=53865&idSeccao=422&Action=noticia

Zau Évua - uma das equipas de futebol


Uma das poucas fotos onde se vê o Cmdt do Batalhão quando da chegada a Angola.
 Em pé: Alfama, Manteigas, Coelho, CMDT, Pires, ?, Lopes.
Outros: ?, ?, ?, Jose Almeida e Ribeiro

16/10/2012

Golden Gate - Jose Niza

"A obra "Golden Gate – Um quase diário de guerra", de José Niza, é "um livro de memórias" de uma guerra colonial que "aconteceu durante 13 anos", escreve no prefácio o compositor residente em Santarém falecido em 23 de Setembro de 2011.O livro agora editado resulta da correspondência diária que manteve com a mulher durante o período em que esteve "naquele mato de Angola, húmido e quente", no aquartelamento de Zau Évua, entre 1969 e 1971. 
 José Niza fora destacado para o contexto da guerra no Norte de Angola como médico. "Uma guerra onde o médico e o capelão eram os terapeutas do espírito mais ou menos primário e sempre psicologicamente descompensado, daqueles mancebos que, por exclusivas razões de idade, foram incumbidos de defender a Pátria contra o fluir da História". Segundo afirma, "na consulta havia sempre mais gente que na missa", a única excepção era a missa de Natal.
  Das cartas enviadas à mulher, foram retirados extractos que são apresentados nesta obra como páginas de um suposto diário. A 17 de Julho de 1969 Niza escreveu: "Chegou cá a notícia de que o Salazar está muito mal, que está mesmo a morrer. Aliás, ele já morreu há dois anos. A certidão de óbito é que está atrasada".
 Noutro passo, com data de 10 de Dezembro de 1970, dá conta dos presentes de Natal que os militares ali destacados receberam, enviados pelo Movimento Nacional Feminino (MNF): "Um pacote de amêndoas, o que dará uma por cada soldado; meia dúzia de lâminas de barbear; o que dará uma lâmina por cada caserna; e ainda meia dúzia de pastas de dentes, o que só dará para os desdentados".
  "Apeteceu-me escrever à Cilinha [Cecília Supico Pinto, líder do MNF] a agradecer a amêndoa que me coube. E, como deixei crescer a barba, vou oferecer a minha parte da lâmina a quem necessitar".
  Há também excertos mais íntimos, e até confessionais, como a que escreveu a 6 Julho de 1970, dirigindo-se à mulher: "Gostar de ti é uma vocação, um modo de vida, uma ocupação permanente, uma invenção de sonhos, uma antecipação do tempo que há-de vir. Estás presente. Amo-te em full time".
José Niza, autor de temas como "E depois do adeus", foi médico psiquiatra, compositor e deputado e autarca do Partido Socialista em Santarém, onde durante dois mandatos presidiu à assembleia municipal. Residia em Perofilho, nos arredores de Santarém.
  Como músico trabalhou com Janita Salomé, Tonicha, Paulo de Carvalho, Simone de Oliveira e Carlos do Carmo, entre muitos outros, tendo, como autor, vencido quatro festivais RTP da Canção."
In "O Mirante" - http://www.omirante.pt/noticia.asp?idEdicao&id=53865&idSeccao=422&Action=noticia
 
Brás Gonçalves escreveu
  • "Tenho o livro de José Niza lido, como o faço com os livros de poesia, abrindo-o numa qualquer página e a partir daí, para a frente ou para trás.
Para além da curiosidade de saber o que se passou por aquelas terras do fim do mundo, sob o ponto de vista e da experiência do médico, ficou-me também o interesse de saber o muito que José Niza analisou sob a sua experiência em terras de Angola ao sabor da...
sua profissão - médico.
Mias para diante, voltarei para tecer algumas considerações sobre algumas das passagens do livro e do seu estilo de escrita.
Um livro para ler e pensar sobre o que se passava naquela "guerra", as frustações, os traumas, as doenças físicas e mentais. Voltarei ao assunto num dia destes."
 
Barbosa Antonio  escreveu
  • ESTIVE HOJE, PELA SEGUNDA VÊS A LER UM POUCO DO LIVRO NA FNAC NORTE CHOPING. PENSO TRATAR-SE MAIS DE UM LIVRO QUE NARRA HISTORIAS PESSOAIS E CONTANDO APENAS O QUE COM ELE SE PASSOU. NA 2543 ACONTECERAM DRAMAS QUE PELOS VISTOS ELE NEM TÃO POUCO TEVE CONHECIMENTO, ENTRE OS QUAIS MORREU UM NOSSO COLEGA NO DIA 25/07/ 1971, QUASE NA NOSSA PARTIDA PARA LUANDA. COMO ELE ESTAVA EM ZAU ÉVUA PROVAVELMENTE NÃO SOUBE.No livro, José Niza escreve as dificuldades que teve em Zau Evua salientando tambem os mosquitos como nosso grande inimigo. É evidente que tambem eram grandes inimigos, mas recordo que o ano em que lá estivemos em conjunto com a C C S, o numero de colegas com doenças, em relação ao quiende era muito reduzido. O maior problema era o isolamento total da população, mas era um local com muito menos trabalho que o Quiende que para lá de termos tambem uma area do tamanho do Algarve a defender, tinhamos de o fazer apenas com 3 plutões porque o 4º plutão estava destacado num outro local sob o comando do Alferes Albernaz. O Quiende era um local com mosquitos portadores do paludismo em grande escala que quase toda a companhia foi vítima e muitos camaradas, assim como eu, estivemos doentes mais que uma vez. Por via disso tive de estar internado no Hospital de Ambrizete.Ainda falando sobre o livro, Jose Niza escreve a ida do capitão castro para exercer trabalhos naquela cidade que ele muito bem sabia fazer "ou não fosse ele arquiteto" Mas o que eu queria dizer é que aquele lindo jeep que ele pra lá levou, estava obsoleto em Zau Evua. e eu e o amigo Alvaro Baião, restauramo-lo e após ameaças de colegas de que podiamos ser castigados por o alterar ligeiramente. Mas nada disso aconteceu. O capitão de certeza que tinha muito gosto no carro, porque quando eu ia a S. Salvador era um regalo v^lo passar a conduzir o jeep.

Antonio Fernandes j escreveu:

  • Já li o livro quase todo e gosto,

 

 
 
 
 

Golden Gate

08/10/2012

Zau Évua

Vista da parte nova do aquartelamento - ao fundo à direita ainda se vê uma pontas dos imensos morros de Zau Évua
 
 
 
Vista da "Porta de Armas"
 
Para quem por aqui (pelo blog,  porque Zau +Evua já não existe)  passar, ficar apenas com uma ideia, uma pequena ideia do que era viver neste local durante 2 anos.

27/09/2012

José Niza oferece direitos de autor

A família de José Niza ofereceu os direitos de autor do seu livro Golden Gate,  à Associação de Deficientes das Forças Armadas, uma atitude que se louva

Jose Niza e o livro Golden Gate -um quase diário de guerra

O representante do editor
O Presidente da Ass Def Forças Armadas

 Estivemos presentes na apresentação do livro "Golden Gate" - um quase um diário de Guerra, de José Niza.
Estiveram presentes, para alem da viúva, os três filhos, familiares, amigos de vários quadrantes políticos e o presidente da Associação dos Deficientes das Forças Armadas com quem trocamos impressões e nos convidou a visitar a associação, a quem a família dou os direitos de autor do livro.
Tomaram a palavra um representante da editora, a viúva de José Niza que comovida agradeceu, a presença de todos o que encham a plateia da Livraria e ajuda dada por Manuel Alegre e de José Freire para  a publicação da obra.  Manuel Freire, o da Pedra Filosofal, que  bem ao seu estilo, apresentou  o livro, teceu considerações sobre o estilo irónico da escrita de José Niza e no final leu alguns poemas do autor.
Destacamos :
Dedico este livro aos que morreram na guerra e aos que sofreram por causa dela.
Pelos que morreram nada há a fazer. A não ser a recordação, a medalha póstuma e a magra pensão parta as viúvas.
Para os que sobreviveram há o apelo de que não permitam outras guerras como esta.
Sendo o Homem o único animal que fala, a sua espingarda deve ser a palavra e a sua estratégia militar o diálogo.
Tudo o resto é responder aos apelos da irracionalidade.
Só quem viveu uma guerra pode saber, verdadeiramente, o que é a PAZ.
                                                                                             José Niza

26/09/2012

Jose Niza - novo livro a título póstomo



José Niza fazia anos as 16 de Setembro, faleceu no ano passado a 23 de Setembro e é lançado este anos, no dia de hoje um novo livro com as memórias da sua (nossa) passagem pela Guerra de África em 1969 e 1971.
Tínhamos estado em Santarém em 21 de Abril de 2008 no lançamento do seu livro Poemas da Guerra, que tem prefácio de Pinto Balsemão.
José Niza foi o médico do nosso Batalhão - BCAC2877 deixou um enorme lastro de amizade com todos os que com ele partilharam os dois anos de passagem por Zau Evua Angola, era um conviva assíduo aos almoços de confraternização, onde à viola acompanhou um outro nosso companheiro em muitos fados e baladas de Coimbra, no convívio do ano passado, poucos dias antes da sua morte, esteve connosco e era dia de aniversário da sua esposa que o acompanhou e que foi convidada a partir o bolo de aniversário que por tradição serve de ponto final na confraternização.
Hoje, vou estar na apresentação do livro que no ano passado nos tinha confidenciado que estava a ultimar.
Estarei lá, com uma enorme encomenda de livros para muitos dos seus antigos companheiros de armas que não podem estar presentes.
Um amigo, merece sempre estar acompanhado, mesmo quando já não está
junto de nós, sabem porquê?  Porque "aquela inútil guerra fez com que nos tornássemos amigos para sempre", na dedicatória ao BCAC2877 no seu anterior livro.

Há quem mereça ser sempre recordado, José Niza bem o merece.

24/09/2012

José Niza - novo livro


Livro publicado em Abril de 2008
Escreveu assim a dedicatória:
À memória de minha mãe, que sofreu a ausência de dois filhos, um na guerra e
outro no exílo
À minha mulher, que deu sentido à minha vida
"a coisa mais linda" que me aconteceu
Aos meus filhos, Titia, Isabel e Zé Nuno, que
me fazem feliz e são o meu orgulho.
À Maria, minha neta, que quando ler este livro
vai pensar que o avô andava a inventar coisas.
Ao Mário Soares, que denunciou esta guerra ao
mundo e teve a coragem de a combater.
E ao Salgueiro da maia,  que acabou com ela.
 
                                                                      Abril de 2008


Depois da passagem pela Guerra de África a política


O novo livro a apresentar quarta-feira - 26 de Setembro de 2012


Terá a ver com a nossa passagem por África

Jose Niza


A política depois da Guerra de Africa e no intervalo das cantigas

19/09/2012

A lagarta na salada

Há muitas histórias que passaram por nós e que por vezes, sem razão
nenhuma aparente, voltam à nossa memória, umas por simples, outras
dignas de riso, outras mais graves.
Ontem apareceu no ecram da minha memória o que se passou à hora de
jantar a bordo do Vera Cruz, quando o paquete saia da Ilha da madeira
a caminho da Ilha Terceira, para desembarcar mais uma companhia de
Caçadores.
Foi assim: havia salada a acompanhar o "rancho". No meio da alface,
uma lagarta passeava descontraidamente. Alguém reparou na passeata da
bicha ali mesmo nas nossas barbas. Alguém reclamou. Alguém ripostou:
calma, passaste estes 10 dias a comer salada de frigorífico e logo
hoje que comes salada fresca, estás todo zangado ? Ou achas que a
lagarta já vem de Luanda?
Assim foi. A salada foi toda comida

16/09/2012

Jose Niza

"Niza, médico psiquiatra, político, poeta, escritor e compositor, ilustre cidadão de Santarém, faria este domingo, 16 de Setembro, 74 anos de idade. Faleceu em 23 de Setembro de 2011, num hospital de Lisboa, vítima de doença.

O seu nome ficou também ligado ao 25 de Abril de 1974 uma vez que uma canção de sua autoria "E depois do Adeus" com música do também já falecido maestro José Calvário, cantada por Paulo de Carvalho, foi uma das senhas da revolução, a par de "Grândola Vila Morena" de José Afonso.

No prefácio do livro “Poemas de Guerra – Angola 1969/1971” (edição O MIRANTE), Francisco Pinto Balsemão escreve que o mundo precisa de poetas como José Niza para ser mais suportável. E quem não estará de acordo com aquela afirmação depois de ler poemas como “A Festa da Vida” que ele escreveu em 1972 e que recordamos em jeito de memória. (omirante.pt)

"A Festa da Vida
Que venha o sol o vinho as flores
Marés canções todas as cores
Guerras esquecidas por amores;
Que venham já trazendo abraços
Vistam sorrisos de palhaços
Esqueçam tristezas e cansaços;
Que tragam todos os festejos
E ninguém se esqueça de beijos
Que tragam prendas de alegria
E a festa dure até ser dia;
Que não se privem nas despesas
Afastem todas as tristezas
Pão vinho e rosas sobre as mesas;
Que tragam cobertores ou mantas
O vinho escorra pelas gargantas
E a festa dure até às tantas;
Que venham todos de vontade
Sem se lembrarem de saudade
Venham os novos e os velhos
Mas que nenhum me dê conselhos"

2012 - Videos do convíveo

 
Momento dos parabéns
 
Guerreiro com a "Marcha de despedida de Zau Évua"

Guerreiro mostra fotos antigas com camaradas da CCA2543