21/07/2012

21 Julho de 1969


LUANDA
Baia de Luanda em Agosto de 1971
Todos os que por aqui passarem, neste ou em outro dia, vão recordar ou ficar a saber que um barco, com lotação no limite, chegou a Luanda a 21 de Julho de 1969. Tinha a particularidade de transportar como "carga", jovens na sua maioria. Jovens obrigados a ir para uma guerra que pouco ou mesmo nada lhe diziam.  Guerra que passados poucos anos se ficou então a saber que foi uma guerra inútil. Do local para onde iam, também a sua grande maioria, pouco ou nada sabiam. Da guerra sabiam apenas uma parte  do que o então governo queria que se soubesse e nada mais.  De Angola, para alem do que se sabia por familiares ou amigos e do que nas escolas se estudava, ficava-se com uma ideia muito superficial e pouco claro de que terra era aquela que tinha uma área 14 vezes maior de Portugal e que há uns anos atrás, mercê dum "lunático" esclarecido quase que chegou a ser a capital do império colonial português.  Já naquela altura, não era mais duma enorme extensão de terras onde duma maneira geral, brancos e negros não se davam mal.  Mas, os ventos da história não tinham ainda chegado a Lisboa e o velho "botas" pouco conhecedor da evolução que já tinha começado há muitos anos em África e que tinha dado a indepêndencia às colónias em mão das potências europeias.  Nem Marcelo conseguiu aliviar a pressão internacional que nos fóruns internacionais sofria Portugal e que obrigava a comprar muito do material de guerra como se fosse para ser utilizado em outras actividades.
A guerra foi inútil para Portugal e para todos os que por lá combaterem, para os que lá morreram ou regressaram desfigurados, incapazes ou transtornados.

Em comboio de mercadorias foi feito o nosso transporte
Entrada do Campo

A vista de Luanda ao alvor deste longínquo dia de Julho, passados uns tantos dias de viagem, sempre em mente com a incerteza do lugar para onde seriamos encaminhados.

O percurso feito nos primeiros momentos em Angola,  para um enorme campo de "concentração"  de tropas a que chamavam Grafanil, deixava antever a grandiosidade da cidade de Luanda.

Pela sua dimensão o Grafanil podia saber-se
do numero de militares que ali
estacionavam e passavam

A partir do Grafanil, com os preparativos para a ida para o mato, começou a  deixar o rasto das dificuldades, do medo e das angústias que todos iríamos sentir nos próximos dois anos.
   

Debaixo de um destes embondeiros
 foram-nos dadas as vacinas
Por fim, recordar o primeiro homem que pos o pé na Lua, quando nós colocávamos o nosso em ANGOLA

Sem comentários: