13/01/2009

Stress pós-traumático

Anónimo deixou um novo comentário na sua mensagem "Sintomas de stress pós-traumático podem surgir 30 ...":
Despido de todos os males que me aconteceram na comissão em Angola, desde ter de ir para a mata a comandar quatro pelotões, a rebentar uma aldeia com petardos de TNT, a fazer escoltas num só dia de Lumbala a Teixeira de Sousa, a ir em auxílio de meu pessoal levando-lhes algo de mais para comer do que a pobre ração de combate, como pão e batatas, apenas com um condutor, duas granadas uma pistola Walter e uma G3;
a ir a pé com os meus homens verificar um ataque a uma sanzala e descobrir uma mina anti carro que estava preparada como presente de Natal, de ter sido atacado por carraças durante uma operação no Mutumbo e tratado por um cabo enfermeiro que me encharcou de antibióticos, fazendo com que rebentasse o sangue do meu corpo a nível das pernas, braços e cabeça com uma contagem de plaquetas de 16.000, sozinho num T0 da Messe de Oficiais em Nova Lisboa até ter sido prisioneiro e dormir no chão em cima dum cobertor durante meses e antes ter sido ameaçado de morte por elementos da Unita, do MPLA;
de não ter aceite servir no Serviço de Informações do Quartel General em Luanda e de em face disso ter efectuado com sacrifício da própria vida e de meus homens, todas as missões que nos foram confiadas.
De ir a várias Juntas Médicas ao Hospital da Estrela e por elas saber que tenho uma PTI e ser considerado apto para todo o serviço militar.
Lembro aqui o Coronel Comando Guimarães que me preparou.
É a homens como ele que eu dedico esta balada, Paz da Neve, a pedir o meu descanso na terra que me viu nascer e pela qual os meus antepassados tanto sofreram:
PAZ DA NEVE
Esta noite, lá no monte
e já bem de madrugada
eu fui à beira da fonte
sua água estava gelada!
-e depois de dormir leve
por o frio estar a sentir
saí de casa e vi a neve
mui de mansinho a cair!
-vi a flor de amendoeira
ai qu'é uma branca flore
eu vi cair de maneirados céus belo cobertor!
-cobria a neve, os galhos
ai da minha amendoeira
e cobria couves e alhos,
lá na horta a laranjeira!
-cobria a neve meu chão
que tenho de agricultor
e enchia o meu coração
ai de primícias de amor!
-eu vi surgir uma mulher
com o seu branco manto
lhe pergunto, você quer
quer ser o meu encanto!
-e na fonte demos beijos
e pelo surgir da aurora
veio o sol com ensejos
de pôr toda a neve fora!
-abracei a minha amada
e com a bela luz do sol
vi a terra esbranquiçada
como um branco lençol!
-ai, com o sol se reveste
a terra de branco alvare minha noiva se veste
para irmos para o altar!-
e caía a neve em flocos
como o de fino algodão
e ali eu desfiz os blocos
qu'eu tinha no coração!
-casei com a minha terra
e já que sou agricultorhouve paz sem a guerra
na terra de meu amor!
-José Maria dos Santos Silva

Sem comentários: