07/11/2008

Militares - férias em tempo de crise

Umas "férias de 2 anos, a partir de agora mesmo, pelas matas de Angola, Moçambique ou Guiné", não lhes faria bem ?


Há por aí muitos antigos militares que por lá andaram obrigados, que lhes podem indicar uns bons locais.


Mesmo, sem antiga guerra de África, poderia ser que ficassem a saber melhor o que é andar na "guerra"


Militares querem a demissão das chefias

A posição dos chefes das Forças Armadas está ainda mais fragilizada, depois da polémica entrevista do general Loureiro dos Santos há uma semana, à TSF, alertando o poder político para as consequências de não resolver os problemas existen

2 comentários:

Anónimo disse...

Eu acho que o que faz falta a esses sres, é mesmo não terem passado verdadeiramente pela guerra de África, a comerem o pão que o diabo amaçou, porque se assim fosse não havia tanta chicalhada para fazer pouco dos "mais pequenos" eu sei do que falo.Um abraço do JSilva para todos.

Sérgio O. Sá disse...

Sim, camarada J. Silva, tem razão. Eu fui dos que comeram desse pão. Muitos outros só tiveram o diabo, nos momentos de inferno que encontraram pela frente, nem chegando a comer o pão amassado por ele, como bem sabe.
Mas infelizmente ainda há quem diga que fomos para lá passar férias e ganhar uns cobres.
Eu cheguei a ouvir isso na minha cara, por duas espécies de pessoas: umas totalmente salazarentas, que apesar da instrução e dos cargos de responsabilidade que ocupavam, ou talvez por isso, não acreditavam no que eu lhes contava; outras, para tristeza nossa, tinham sido militares que tiveram a sorte de não sairem do continente e sentiam-se prejudicados pelo facto de o "pré" que cá recebiam ser muito inferior ao que recebiamos nós no meio do "barulho". Veja como as coisas eram, e ainda são!
Um abraço de paz em lembranças da guerra.